Minhas Compras
cesta vazia
TELEVENDAS: (41)3253-3035
| | | | |
23/10/2019 23:23:40 hs
busca: Veja como melhorar a Busca
border=0
 CATÁLOGO
border=0
 Revivendo
border=0
 Again
border=0
 BIOGRAFIAS
border=0
 Nacionais
border=0
 Internacionais
border=0
 ALMANAQUE
border=0
 Reportagens
border=0
 Registros
border=0
 Curiosidades
border=0
 A PRODUTORA
border=0
 História
border=0
 Leon Barg
border=0
 Acervo
border=0
 Localização
border=0
 LINKS
border=0
 Links de MPB
border=0
border=0
border=0
border=0
Crônica de Sorocaba - Perigos Última Fase de Ataulfo Alves Ganha Reedição Assis Valente Revive Coletânea Festeja Centenário de Nascimento de Assis Valente, Autor de Brasil Pandeiro´ Por Mauro Ferreira Revivendo o Passado Luiz Gonzaga, o Eterno Rei do Baião Cem Anos de Braguinha Rendem Homenagens no Rio e em Sp Coletânea Traz Raridades de Carmen Para o Cd Raridades de Carmen Miranda, Braguinha: 100 Anos de Alegria Dicionário Gonzagueando, de a a Z Por Assis Angelo (livro)
Reportagens
Mais Reportagens
Última Fase de Ataulfo Alves Ganha Reedição
Assis Valente Revive
Coletânea Festeja Centenário de Nascimento de Assis Valente, Autor de Brasil Pandeiro´ Por Mauro Ferreira
Revivendo o Passado
Luiz Gonzaga, o Eterno Rei do Baião
Cem Anos de Braguinha Rendem Homenagens no Rio e em Sp
Coletânea Traz Raridades de Carmen Para o Cd
Raridades de Carmen Miranda,
Braguinha: 100 Anos de Alegria
Dicionário Gonzagueando, de a a Z Por Assis Angelo (livro)
...veja mais
Crônica de Sorocaba - Perigos

Crônica de Sorocaba 
 
Perigos 
 
NOS já muitos idos, muito, dos há muito idos, muitos, dos dias velhos de minha velha infância, lembro-me de mim, feliz, nos períodos das campanhas de eleição, catando os papeluchos que os aviões soltavam por sobre os telhados e quintais. Como qualquer outra atividade predatória em seu início, esse era um costume que nada de mau não parecia oferecer à comunidade. Era como soltar um balão, o que, na época, era como empinar um papagaio, que, então, era como andar de bicicleta então. E o fato é que aqueles papéis impressos com, geralmente, uma muito bem engendrada caricatura do candidato eram disputados pela gurizada em corridas e alvoroço. Hoje, nem pedalar não se pedala como se pedalava. Há códigos e regulamentos para andarem de bicicletas, os quem a tanto ainda se atrevem ou disto carecem, costurando pelos descaminhos das veredas no espaço cada vez menor entre os automóveis.  
 
"O tempora! O mores!" 
 
Pipas de fim de século, erguidas em linhas mortais, dilaceram carnes inocentes e são antes armas afiadas que brincos infantis; nos tempos de meus tempos, o máximo que um papagaio destes poderia fazer era enroscar-se na fiação elétrica, e mas, parece-nos, não causavam as tragédias de agora. Como isso é possível? É a história da serpente enrengelada. O homem tratou-a, e ela, aquecida, picou-o e ele morreu. É como os balões, que, antes, parece que apenas subiam, subiam, multicores de luz, e parece-nos que somente no tempo de nosso tempo é que descem e queimam a vida, inclementes. 
 
E o fato, de fato, é que tudo isso são, em nossa época atual, coisas proibidas, como o lança-perfume e a propaganda de cigarros ou beijar no "shopping" em Sorocaba. Não é menos verdadeiro: pedalar sempre pôde ser fatal. Pipas anunciavam a vinda dos lotes de drogas, como, ainda hoje, denunciam a chegada da polícia. E o balão sempre incendiou, conquanto se ergueu, em torno do assunto, uma cortina de fumaça... Coisas de caipiras, como os que, sorocabanos, aniversariamos. De Sorocaba, sabe-se haver sido elevada à Vila em um 3 de março; mas, optou-se pelo dia de Nossa Senhora para o dos festejos natalícios da urbe. Ora, tudo é um motivo, afinal. 
 
Nos meus tempos de eu criança, a orgia da propaganda eleitoral parecia-me pouco diferente da dos dias das festanças carnavalescas - quando os salões transbordavam e as ruas se enchiam de serpentinas e confetes. Nas eleições, perdia-se, decerto, em coloridos, mas os confetes políticos provinham das nuvens, choviam do céu, vinham bailando uma dança azul perante nossos extasiados olhos de crianças. Ninguém de nós meninos não imaginava o que de ruim naquilo poderia haver oculto. Ninguém nunca imagina, no começo de nada, o que aquele tudo embutido vai florescer. Quem não acha encantos no filhote de alguma, qualquer uma, crescida fera assassina? Por um exemplo, assim: o bicho humano. Garanto ao leitor descrente, a leitora incrédula, até mesmo o ministro Malan deve de ter sido um amor em criancinha. Que nem: beijar a mão, acho que pode, uns pensam que se deve; no rosto, já é assédio; na boca, sexo oral. Tudo, nos seus começos, são como os quentes perigos das regélidas serpentes, que acudimos. 
 
Talvez, é pena, os fatos dêem razão àquele juiz, nos nordestes, que proibiu notícia política. "Como quem fala mente, melhor ninguém falar" - terá raciocinado. Matar a cobra no ninho. A gente pensa sempre que ela não vai picar. 
 
Quando eu era criança, pensava que a morte era das coisas que somente aconteciam com gentes de famílias distantes. E mas porém, e logo, a noção do fim da vida insinuou-se-me com insídia. Morreu-me a minha avó Maria, mãe de meu pai. Pela primeira vez, na vida, vi meu pai chorar. Era um pranto circunspecto e silente. Chorou-o íntimo. Flagrei-o. Parecia não me ver. O velório foi realizado em sua casa dela, o féretro na sala. Antes que se fechasse, ergueram-me, creio que meu pai, para tomar-lhe a dela bênção derradeira. Tinha, minha avó, as mãos cruzadas, e talvez houvesse um terço. Beijei-lhe a pele fria, e o contato da morte em meus lábios selou nosso último encontro. Depois, em casa, sozinho, entoava, mentalmente, uma melopéia secreta: "Vovó Maria morreu..." - e confortava-me, mais, ou menos. Um frio. Na boca. Do estômago? 
 
Como na história da serpente, mas, ao contrário, nos agoras, passou-me o frio da morte, seja o do estômago ou na boca. Muito tempo mais tarde, quando me morreu meu pai, já sabíamos, e os queridos, o quanto a luta reside é nas fadigas da vida, jamais nos descansos da morte. "É preciso estar atento e forte" - cantou a melodia.  
 
As propagandas eleitorais não mais caem dos céus, que é proibido - mas, jamais, de verdade, caíram do céu, vieram sempre dos pesados e sopesados cofres abarrotados de que ninguém não tem conhecimento, mas de que todo o mundo sabe.  
 
"É preciso estar atento...": hoje, como, em verdade, desde que o mundo é mundo, qualquer intenção humana pode esconder uma intenção política, embora nem toda intenção política seja necessariamente humanitária. "...e forte": as eleições vêm aí. 
 
A discriminação na gramática - "o" cobra é o craque; "a" cobra, o bicho. 
 
Do homem na política, diz-se serem cobras. 
 
No feminino.  
 
Um Poema 
 
Soneto Araçoiaba 
 
Recorta-se a cidade. Um horizonte verde 
a pouco e pouco apouca. A simetria exata 
há muito que o suplanta. A linha dura escapa 
da linha do horizonte. E o verde o verde perde. 
 
Vidraça da janela. E nela outras janelas. 
E o morro do Ipanema esconde atrás do morro 
do branco do edifício um tempo sem socorro. 
Janelas na vidraça. E outras janelas nelas. 
 
Perfis de telha baixa e as gentes que recolhe. 
São gentes de outra guarda as que essa telha acolhe. 
Que esconde a cor do morro e a linha da paisagem, 
 
recurva silhueta (a curva é a mensagem). 
Por causa desse morro a gente é diferente: 
a gente esconde o morro, o morro esconde a gente.  
 
Paulo Tortello é Poeta. 
Fone/Fax: (15) 231-8218,  
E-mail: tortello@terra.com.br  
 


 Lançamentos
border=0
 Promoções
border=0
 Novidades
border=0
 DVDs
border=0
 CDs/DVDs Religiosos novo
border=0
 Destaques
border=0
 Futuros Lançamentos
border=0
 Catálogo por Gravadoras
border=0
 Gênero Musical
border=0
 World Music
border=0
 Download do Catálogo
border=0
 Cadastre seu e-mail
border=0
border=0
border=0
Revivendo Musicas - 22 anos preservando a Musica Popular Brasileira
Raul seixas Mpb Nelson gonçalves carlos ramires Cascatinha Christian e ralph FEVERS Pixinguinha Gonzagão Grever Dalva de oliveira Lunar Teca Tonico e tinoco Caim Serestas Sertanejos Nilton cesar Orlando silva Orquestra
página inicial | fale conosco | ajuda | cadastro | política de privacidade e segurança

© Copyright 1987-2015 Revivendo Músicas Ltda. - Todos os Direitos Reservados
As logos Revivendo® e Again® são marcas registradas da Revivendo Músicas Ltda.
A manutenção, a distribuição e a comercialização dos produtos encontrados neste site
é feito por Barg Comércio de Discos e Acessórios Musicais Ltda.
Os preços dos produtos podem sofrer alteração sem aviso prévio.